Paradoxo.
Assim eu defino o stress de Elisa, ela é gerente de um banco Estatal, casada e seu marido está desempregado a 14 meses. Ele convive com o stress diário da falta de emprego. Ela convive com o stress diário da falta de mão de obra. O Banco não contrata desde o começo da crise econômica, quando foi feito um Programa de demissão voluntária para aliviar em 30% o numero de funcionários. Ela está sobrecarregada com a falta deles. Várias posições estão em aberto e os poucos funcionários que ficaram agora tem que se desdobrar para cumprir as tarefas de seus antigos colegas. Para piorar, as horas-extra, que garantiam um respiro no salário foram proibidas. Restou uma correria para fazer o trabalho, o que era de 50 funcionários agora tem que ser feito por 35. Surreal. É uma equação que não tem como dar certo. Menos funcionários + Menor salário + Mesmo expediente= Péssimo atendimento Se o próprio Governo não está contratando “à custa” da entrega de um péssimo serviço como esperar investimento do empresariado? E para piorar o Governo virou caso de polícia. Como disse o falecido Ministro Teori Zavaski, sobre a operação Lava Jato. “Agente puxa uma pena e vem uma galinha“. É Paradoxal… Falta mão de obra e faltam empregos! photo by VisualHunt