É comum se atribuir a expressão ao arquiteto de origem alemã Ludwig Mies van der Rohe. Embora seja mais provável que a frase não tenha se originado com ele, ela está em seu obituário de 1969 no The New York Times.

O ditado hoje alerta para erros que podem ser cometidos nos pequenos detalhes de um projeto. No entanto, uma versão mais antiga do provérbio significava, na verdade, que a atenção para as pequenas coisas da vida trazia recompensas significativas. (Natasha Romanzoti).

Anos atrás uma cliente da Souza Cruz, me descreveu o que esperava de um bom Produtor de eventos. Percebi nas entrelinhas de sua narrativa que ela não queria que eu me apegasse somente ao Job, mas que me preocupasse principalmente com detalhes afinal, muitos sabem produzir, mas carinho e cuidado com a entrega é para poucos.

Aprendi com ela a ser exigente, e ao longo da minha carreira sempre fui atento a detalhes e com a aparência da montagem, preocupo-me com barulho e a forma que os caminhões são descarregados desde fio aparente, acabamento da house mix, palco, cenografia, o visual da caixa de som e da limpeza durante a montagem, nem falo do asseio e do visual do staff.

Esta exigência me rendeu a fama de “mala”, mas também rendeu o respeito de todos os clientes com quem tenho a oportunidade de trabalhar

Este é o x da questão aprender corretamente desde o início!