Caros amigos de eventos, antes da pacificação eu produzi um Job no conjunto de Favelas da Maré, zona norte do Rio. Eu sempre uso a estratégia de contratar mão de obra local como agente facilitador, além de ajudar com a cultura e os costumes, traz credibilidade ao evento. Neste Job especificamente esta medida se fez muito necessária, para quem não conhece a Maré, o local é dominado por duas facções rivais. Tenso e preocupante. Deram-me o celular do “Chefe” da comunidade para que eu negociasse o evento: um projeto social com clínicas de vôlei além da nossa entrada e montagem. Uma das exigências dele foi que eu contratasse seu filho e outros “colaboradores” para alguns serviços, algumas doações e serviços á comunidade. Todos os carros só poderiam entrar com autorização prévia, mas! De ultima hora um dos fornecedores trocou de carro. O resultado? Um estouro, vidros estilhaçados, tiros pensei? Não, pedras! Um aviso. Fui obrigado a subir até o alto do morro para renegociar a continuidade dos trabalhos, além de ouvir um sermão sobre o nosso “trato” e novas obrigações. No evento nenhum problema, apesar da tensão, a nossa segurança foi garantida pelo “chefe”. Produção é isso, coragem para encarar desafios, doses de argumentação e sangue frio!