CMS Business Revolution 2018

Caros amigos de eventos.


Notaram uma sutil mudança no mercado de eventos?

Em 2005 saí de uma sociedade com o Grey Global Group e resolvi amadurecer uma ideia de criar uma estrutura inovadora. Não era freela, nem agência era uma…

… Hub de produção. Conectando profissionais independentes, para atender pequenas agências e clientes do mercado, sem qualquer vínculo trabalhista.

Low cust, 13 year ago!

Mas o mercado não estava maduro o suficiente para absorver uma ideia vanguardista, velhos conceitos, então guardei a ideia, o conceito e a proposta e voltei a trabalhar em agência.

O pensamento geral no mercado era simplista demais… por qual motivo uma empresa ou mesmo uma agência de eventos terceirizaria a sua produção? Sem contar que o glamour tão desejado por nós publicitários sairiam do meu Brand.

Inadmissível para quem gosta de louros. Mas hoje isso não é um problema e se tornou uma solução.

Produção é uma área delicada, em algumas agências é a responsável pelo controle da rentabilidade logo é o pulmão.

But! Money, is nothing without ethics!

Eram tempos em que as agências de São Paulo se apertavam entre o Brooklin, Vila Olímpia e o Itaim e os melhores players do mercado estavam nesta região, mesmo com o altíssimo valor das locações dos andares, afinal… uma agência que se preza tem que ter pelo menos um andar pra chamar de seu, e com uma folha de pagamento astronômica era o pensamento da época!

Tempos de muitos jobs e verbas astronômicas “O espetáculo do crescimento” não havia com o que se preocupar, sério?

Será?

Mas, marcou também o início de grandes aquisições de agências por grupos multinacionais, daí a concorrência foi apertando, os grandes grupos começaram a abocanhar cada vez mais as grandes verbas, agencias menores fecharam suas portas, algumas de uma maneira não muito ortodoxa, mas outras nasciam com a mesma velocidade e se proclamavam; Outstanding!

Mas traziam no DNA os mesmos problemas.

Custo fixo!

Hollywood Blue 2000
A equação é simples e a conta não fecha, hoje o empresário começa o mês já com uma conta gigante de salários, encargos, impostos e infraestrutura.

A minha proposta que na época se mostrou precoce, de uns anos para cá começou a ganhar corpo e nos últimos meses vem ganhando a aderência de grandes players.

Recentemente eles concluíram que quase ninguém consegue manter profissionais de primeira linha, pois o custo é muito alto e mesmo com a “pejotização” do setor fica inviável manter uma estrutura inchada.

Afinal jobs vem e vão, num mês você pode estar atolado de trabalho e no mês seguinte pode não ter nenhum.

E o custo fixo permanece!

O mais inteligente sempre foi enxugar a máquina, assim como os Governos deveriam fazer, mas isso é assunto para outra área e que não é a minha.


O nosso mercado ainda não trabalha bem a ideia de consultoria, mas é uma alternativa para quem pretende manter em seus quadros jovens profissionais sem o estofo técnico necessário a um grande evento, mas que caso precisem podem estar disponíveis por horas ou dias, ou apenas para alguma solução

Eu nunca sei a pergunta, mas já posso ter a resposta!

Grandes profissionais se tornaram caros na visão de algumas empresas, mas eu sempre digo que é muito mais caro perder um cliente.

Ainda mais se for por amadorismo.