CMS Business Revolution 2018
Caros amigos de eventos o desafio daqui para frente é traçar um plano pós lockdown.
Eu já havia pensado vagamente no assunto até que uma grande produtora e amiga Fernanda Gabriella me fez a seguinte pergunta ontem

“Você acha que vamos ficar desempregados tipo…. a maioria não vai conseguir voltar a ganhar trabalhos este ano? Nem renda básica…

A pergunta me incomodou bastante, mas respondi de cara:

-Gabys, não vai caber todo mundo no mercado agora!

Fui me deitar tentando ser o mais pragmático possível, pensei em vários cenários mais ou menos como o Dr. Estranho no filme Guerra infinita, e consegui chegar num cenário tão provável quanto possível, mas que ainda assim que depende de uma série de fatores para dar certo.


Imaginei um evento meu que não foi cancelado, tem data para acontecer no último mês útil do ano. Levei em consideração que muitas empresas não o patrocinarão mais afinal não tiveram faturamento no primeiro semestre, mas precisam correr atrás do prejuízo.

Correr atrás do prejuízo tem duas vertentes, vamos botar o bloco na rua, maximizar a internet, fazer lives e vender feito doido para tentar recuperar parte do prejuízo. É um caminho, mas…

A segunda vertente, que acredito mais e que achei bem mais interessante.
Estas empresas precisam demonstrar que apesar da crise continuam existindo, e que não fazem parte das mais de um milhão de empresas, até o momento que quebraram no lockdown, e a melhor maneira é se expondo, aparecendo e participando dos eventos da área. Buscar o seu público alvo no live marketing, face to face como sempre foi.

Bingo é o final que precisamos. Mas como seria?

Em primeiro lugar, a volta a “nova” normalidade requer cuidados extras de higiene, isto posto produziríamos milhares de máscaras com as logomarcas do evento/patrocinadores.

O controle de acesso será feito com termômetros infravermelhos de testa, desta forma podemos medir a temperatura dos convidados ainda na entrada e antes do cadastramento.

Os que estiverem com temperatura elevada serão conduzidos a um espaço reservado para maiores cuidados médicos.

O pré-cadastramento será obrigatório pela internet, nos totens as recepcionistas protegidas por escudos de acrílico farão a leitura facial, o convidado retira normalmente a etiqueta no totem e recebe por uma abertura o cordão com a credencial e dentro de um saquinho lacrado um conjunto de máscaras que deverão ser obrigatoriamente usadas dentro do evento.

Não haverá revista, mas os seguranças usarão luvas brancas e máscaras de acetato e farão a leitura de acesso normalmente.

Na plenária agora, obedeceremos a uma distância mínima de 70 cm entre uma cadeira e outra, uma mesinha é estrategicamente colocada entre elas e sobre as mesas garrafas d’água com a logomarca do evento, bem como estratégicos lenços de papel e um vaso baixo de flores com o color code do evento.

Cada círculo de palestras terá a duração de 2horas, o tempo da vida útil de uma máscara para que ao saírem para o Coffee as máscaras sejam descartadas e substituídas.

O Staff aumentará em quantidade considerável e desta forma automaticamente terão seus valores reduzidos, pense numa quantidade enorme de produtores, recepcionistas, seguranças, apoios, auxiliares etc.

Os eventos encolhem em quantidade e tamanho, a plenária agora comporta a metade do que comportava e aumentaram exponencialmente as exigências sanitárias.

Aquele auxiliar de serviços gerais dos banheiros ganhou assistentes que agora ficam full time limpando e mantendo o aroma saudável das toaletes. Álcool in gel é tão obrigatório quanto o sabonete líquido.

Os produtores de ASG que sempre tiveram a função de coordenar a escala, agora terão que dar plantão em cada porta de banheiro e todo o lixo será tratado como lixo hospitalar.

Eu poderia falar mais, mas como é minha característica prefiro mostrar como pescar ao invés de simplesmente dar o peixe.

Parece utopia? Sonho? Mas em breve vc verá agumas destas ações nos seus eventos.